Parceiros comerciais do Brasil – dez principais parceiros de exportação e importação

Em 2005, as exportações totais do Brasil mais do que dobraram para US $ 118 bilhões, de US $ 58 bilhões em 2001. No mesmo período, as importações para o maior país da América do Sul cresceram cerca de 30% para US $ 74 bilhões, de US $ 56 bilhões.

O superávit comercial do Brasil aumentou mais de 16 vezes para US $ 47 bilhões, de US $ 2,6 bilhões nos últimos 4 anos.

Com uma população de quase 200 milhões, o Brasil é o maior exportador mundial de açúcar, café, carne bovina e suco de laranja. A soja é a remessa de crescimento mais rápido do Brasil, impulsionada pelo apetite de 1,3 bilhão de consumidores da China. Outras exportações importantes incluem aeronaves, veículos, minério de ferro, aço, têxteis e calçados.

Abaixo está uma lista dos dez principais países que compraram as exportações brasileiras em 2005. Embora os EUA sejam o maior país a comprar as exportações do gigante sul-americano, a Europa representa o maior cliente do Brasil. Em décimo primeiro e décimo segundo lugar, o Reino Unido e a França responderam por 2,2% e 2,1% das exportações do Brasil, respectivamente.

  • Estados Unidos (18,9% do total das exportações)
  • Argentina (8,4%)
  • China (5,7%)
  • Holanda (4,5%)
  • Alemanha (4,2%)
  • México (3,5%)
  • Chile (3,1%)
  • Japão (3,0%)
  • Itália (2,7%)
  • Rússia (2,5%)

Aqui está uma lista dos dez principais países que forneceram produtos importados ao Brasil em 2005.

  • Estados Unidos (17,2% das importações totais)
  • Argentina (8,5%)
  • Alemanha (8,4%)
  • China (7,3%)
  • Japão (4,6%)
  • Argélia (3,9%)
  • França (3,7%)
  • Nigéria (3,6%)
  • Coreia do Sul (3,2%)
  • Itália (3,1%)

E o vencedor é…

Para permanecer uma superestrela da agricultura no comércio global, o Brasil tem que enfrentar as dores do crescimento. O recente colapso das negociações da Organização Mundial do Comércio em Doha fechou a porta a uma iniciativa para remover os subsídios agrícolas e tarifas comerciais dos EUA e da Europa que teriam impulsionado as exportações do Brasil a novos patamares de sucesso. Além disso, um dólar americano fraco torna os produtos brasileiros mais caros e, portanto, sensíveis à competição internacional. E o Brasil é notório por estradas, ferrovias e portos marítimos mal construídos e mantidos. Atrasos de três horas em aeroportos são comuns. Isso é ainda mais agravado por um serviço alfandegário ineficiente.

Em suma, o comércio global com o Brasil pode ser doloroso. De acordo com o USA Today, pode levar 3 vezes mais tempo para importar ou exportar produtos para o Brasil do que a maioria dos outros países.

No entanto, todos esses obstáculos comerciais podem ser gerenciados com eficácia. Na verdade, as questões são oportunidades para tornar o Brasil mais eficiente e, portanto, mais forte.

Na gíria de conversação, o Brasil tem o que é preciso, baby.

Fazendo fronteira com todas as nações da América do Sul, exceto Equador e Chile, o Brasil possui extensas terras agrícolas e florestas tropicais. O Brasil possui vastos recursos naturais e uma grande força de trabalho.

Com menos de um quinto das terras agrícolas potenciais do país sendo cultivadas, as tão necessárias exportações do Brasil e o saudável superávit comercial devem aumentar ainda mais. O potencial do Brasil pode ser limitado apenas pela rapidez com que seus parceiros comerciais na economia mundial conseguem acompanhar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.