Você conseguiria gerenciar um projeto no qual não acredita?


trabalho-no-projeto

Recentemente, vi um fórum de discussão com um tópico semelhante a este. Embora eu não tenha mergulhado na discussão, me fez pensar sobre esse tópico em termos de liderança de projetos. Eu poderia liderar um projeto relacionado a algo com o qual eu não gostaria de estar envolvido?

Isso me levou a começar a pensar no tema a partir de diferentes ângulos da vida. Eu poderia votar em um candidato no qual eu não acreditasse? Não. Eu não sou muito político… e, geralmente, se eu não acreditar em qualquer um dos candidatos eu não vou nem votar, porque eu acho que eu estaria desperdiçando meu voto ou potencialmente apoiando um candidato ruim se eu votasse apenas para votar. Eu teria filhos, se eu não amasse crianças? Eu não sou a pessoa certa para responder sobre isso, pois eu tenho onze filhos. Eu não posso imaginar uma vida diferente para mim que não me incluísse ser pai. Eu compraria produtos sem achar que são bons produtos? Não… por que eu iria querer desperdiçar o meu dinheiro? Eu nunca compraria, conscientemente, um produto ruim, mesmo que fosse o produto de um amigo e ao comprar eu o estivesse ajudando. Eu tento não desperdiçar o dinheiro assim. Será que eu trabalharia para uma empresa ou indivíduo que eu não respeitasse? Bem… talvez… por algum tempo, mas eu não iria entrar conscientemente em uma situação como essa. Eu já trabalhei para empresas que mais tarde eu senti não eram empresas bem gerenciadas. E eu já trabalhei para gerentes que eu não respeitava, porque eles fizeram coisas que me fizeram perder meu respeito por eles. Mas na condição de consultor independente, com a capacidade de escolher quais projetos eu quero assumir e com quais empresas quero me envolver, eu posso dizer que eu não faria isso… e eu não faço isso.

Então, de volta a esta questão conceitual de liderar um projeto para algo que eu não acredito. Eu poderia fazer isso? Você poderia fazê-lo? Eu acho que seria muito difícil, e, geralmente, não é uma boa ideia, pelas seguintes razões:

Isso provavelmente refletiria na qualidade do trabalho

Ser o gerente de projeto para um projeto apenas para concluir o trabalho provavelmente não vai produzir um resultado de qualidade. Fazer um projeto apenas por fazer não vai tirar o melhor em mim ou provavelmente de ninguém na liderança de um projeto. Acho difícil atribuir tarefas do projeto e pedir que as pessoas façam seu trabalho bem feito para um produto ou esforço que eu acredito ser ruim ou errado ou que não seja do interesse do cliente para o qual estou conduzindo o esforço.

Eu seria um defensor fraco dos interesses do projeto

Indo um pouco mais além com o tópico anterior, eu dificilmente defenderia com intensidade os objetivos do projeto. Se fosse uma campanha de marketing, então eu iria achar difícil “vendê-la”. Se fosse um produto que eu acho que é de má qualidade, então eu acharia difícil pedir a um cliente para comprá-lo. Acho que meus clientes são a parte mais crítica do quebra-cabeça, e eu tento levar seus melhores interesses em consideração quando lidero seus projetos iniciativas de qualquer tipo.  Se eu não compro a ideia, então como poderia vendê-la?

Quando eu consegui meu primeiro contrato de consultoria, gerenciando projetos para um site de gestão da saúde, eu tive que realmente entender e acreditar na oferta e na equipe antes de aceitar trabalhar com eles. E minha primeira missão era “salvar” três projetos de clientes que estavam indo para o brejo, o que poderia significar o fim da empresa. Por isso, foi importante que eu “vendesse” a empresa e sua capacidade de entregar resultados aos clientes chateados… e eu não tive muito tempo para mudar as coisas.  Eu me atualizei com a situação, decidi que o que eles estavam oferecendo era um ótimo produto, trouxe esses três clientes e fiz uma apresentação cara-a-cara para cada um deles sobre o porquê eles precisavam ficar com a gente e me deixar gerenciar seus projetos para colocá-los novamente na linha. E funcionou. Mas não teria funcionado se eu não tivesse acreditado no produto que estávamos vendendo para eles.

O dinheiro não é bom motivador

Eu gosto de ganhar dinheiro pelo trabalho duro que eu faço tanto quanto qualquer um. Mas eu acredito que é um motivador fraco. Sempre que eu sigo o dinheiro e não a cabeça ou coração, eu acabo me dando mal. Isso pode soar piegas, mas eu preciso acreditar na organização e nos projetos que realizam antes que eu possa fazer o trabalho para eles. Realmente, o tipo de empresa e os produtos que eles têm significam mais para mim do que o dinheiro que eles estão pagando.

Resumo

E você? Você aceitaria um projeto no qual não acredita? Se você acha que sim, o que seria necessário para que você pudesse fazê-lo? Eu tenho que esclarecer sobre o aspecto dinheiro… eu não sou estúpido, então há uma quantia em dinheiro que me faria dizer ao mundo que couve-de-bruxelas é minha comida favorita se eu tivesse que dizer. Mas em uma base diária, o dinheiro não é a consideração. Conte-nos como você se sente sobre esse conceito e talvez até mesmo nos dê um exemplo real, quando você teve que fazer uma escolha difícil.

Autor: Brad Egeland

Artigo publicado originalmente no blog da Workmajig

Publicidade


  • Carlos

    Brilhante texto…. Nem tenho o que perguntar… parabéns!

  • Marcelo Cibulka

    Boa Tarde
    Texto muito bom, mas olhando por outro lado, quando temos que assumer um projeto que sabemos que o prazo é inviável? Eu não posso declinar, pois não sou um consultor e sim um CLT.

    • http://twitter.com/luizhpj Luiz de Paiva

      Marcelo, realmente como CLT fica mais difícil declinar. No entanto, se você realmente acredita que projeto tem grande risco de fracasso ou que não está alinhado com a estratégia e os interesses da organização, também é sua função, como gerente de projetos, alertar aos gestores seniores.

      Obviamente, no mundo real às vezes isso não é tão simples assim, e temos que engolir alguns sapos… mas essa é minha opinião. Abs!