Planejar é fazer a coisa certa


Com toda a discussão que já existe sobre os benefícios de gerenciamento de projetos para organizações de qualquer porte, e sobre como otimizar o uso das ferramentas, metodologias e processos para benefício dos negócios, podemos nos esquecer de uma vantagem absolutamente básica que pode ser obtida com esta disciplina:

Gerenciamento de projetos leva a fazer a coisa certa!

O que quero dizer com isso?  Todos queremos fazer a coisa certa em nossas empresas e projetos, não?

Acontece que quando as decisões e ações da organização são guiadas pela intuição, pela vontade de uma única pessoa ou por processos caóticos, a probabilidade de caminhar para o lado do fracasso ou do retrabalho é maior.

Não que decisões intuitivas ou de um único especialista não possam ser corretas.   Mas é fato que, ao adotar práticas que forcem as pessoas a passar por um processo de discussão de premissas (iniciação), preparação do que será feito (planejamento) e agir conforme o que foi discutido e combinado (execução), além de monitorar adequadamente o que está sendo feito (controle), a tal “coisa certa” está muito mais ao alcance.

É por isso que qualquer pessoa que se envolve em gerenciamento de projetos ouve inúmeras vezes o quão é importante planejar mais antes de executar.   Não se trata de burocracia… se trata de passar pelas etapas de análise do problema, discussão com especialistas e tomada de decisão sem a pressão de entregar um produto no dia seguinte…

Não acredita em mim?  Então passe o mouse sobre o velho Winston para ver o que ele tem a dizer:

Winston Churchill

Winston Churchill

“Aqueles que planejam vão melhor do que aqueles que não planejam, mesmo que eles raramente acabem seguindo o plano.”

Tomando como referência as áreas de conhecimento do PMBOK, podemos avaliar em quais “categorias” estamos fazendo a coisa certa.  Por exemplo:

  • Estamos alocando as pessoas certas para fazer esta coisa certa? (Gestão de RH)
  • Aquilo que está sendo feito é a coisa certa para atingir o produto que queremos? (Gestão de Escopo)
  • Teremos dinheiro para fazer a coisa certa?  Ou ficaremos no meio do caminho, tendo apenas a coisa errada?  (Gestão de Custos)
  • O que pode acontecer que nos impedirá de fazer a coisa certa?  (Gestão de Riscos)
  • e assim por diante…

Colocando agora o foco nas pequenas e médias empresas, cabe ao líder / gestor / empreendedor se policiar para não tentar fazer tudo sozinho conforme sua intuição, e deixar sua equipe passar pelos processos de iniciação e planejamento.

Sim, isso causa alguma angústia pra quem se acostumou a ser “o cara”, e tomar as decisões (muitas vezes certas) sozinho.  Mas isso não é sustentável e não leva uma empresa a seu máximo potencial.

Então pense nisso.  Adote práticas de gerenciamento de projetos, e invista tempo e neurônios nas fases de planejamento.  Prepare-se bem para executar um projeto e as chances de sua equipe dizer no final “fizemos a coisa certa” é muito maior.

Finalizo com um conhecido provérbio do mundo dos negócios que você nunca deve esquecer:  (sim, passe o mouse… não seja preguiçoso)

“Falhar em planejar equivale a planejar falhar.”

Publicidade


Gerente de projetos e empreendedor com vivência internacional, criador da Rede O Gerente e definitivamente viciado em publicar conteúdo sobre gestão, negócios e tecnologia. Fundador da Avantta, empresa especializada em soluções de tecnologia e gerenciamento de projetos para pequenas e médias empresas. Segundo seu filho, é o melhor engenheiro do mundo.