5 erros comuns em estimativas


erros-em-estimativas

Estimar o trabalho do projeto para tarefas individuais ou grupos de tarefas pode ser difícil, e é importante contar com a equipe do projeto tanto para ajudar com as estimativas quanto produzir as estimativas iniciais que você, como gerente do projeto, em seguida, revisa e documenta. Existe uma certa regra infalível para projetar uma estimativa? De jeito nenhum. Todo mundo baseia suas estimativas em suposições, experiências passadas e conselhos dos outros, mas nada é perfeito e nenhuma estimativa nunca vai estar 100% correta, a menos que seja por sorte.

Eu, porém, acho que algumas pessoas são muito melhores nisso do que outras. Sou da opinião de que fazer uma estimativa é um dom – ou você tem ou você não tem. É essa capacidade de pensar de forma abstrata sobre determinadas tarefas e descobrir com algum grau de precisão qual será o nível de esforço necessário para realizá-la. Claro, é preciso que haja certo nível de experiência e conhecimento, mas a experiência nem sempre garante que você vai dar boas estimativas. Ao longo do tempo, pode-se aprender a ser um bom estimador, mas ter o dom certamente ajuda.

Pela minha experiência, existem algumas fraquezas ou armadilhas fundamentais nas quais podemos cair ao tentar produzir boas estimativas. Estar ciente delas com antecedência pode ajudar o gerente de projetos e a equipe a evitá-las, mas ainda não vai garantir que você esteja produzindo uma estimativa precisa. Eu fiz com uma lista de cinco armadilhas que eu acho que são as mais comuns…

Requisitos fracos

Requisitos bons e completos são a base para todo o trabalho em andamento no projeto. Sem bons requisitos, é difícil, se não impossível, entregar uma solução final que seja aceitável para o cliente. E certamente é quase impossível estimar com precisão o trabalho que vai ser realizado no projeto. Você pode montar uma grande estimativa baseada nos requisitos que você tem, mas se esses requisitos são pobres ou incompletos, então a sua estimativa é inútil.

Muito otimismo

Se as estimativas são sempre baseadas em cenários mais favoráveis, então você sempre vai se surpreender quando constantemente encontrar o seu projeto acima do orçamento ou estourado no prazo. Riscos e problemas acontecem, algumas tarefas acabam levando mais tempo do que o planejado e, por vezes, os problemas do cliente aparecem e atrasam as coisas. Se você sempre planejar para que tudo corra bem, então você vai se frustrar várias e várias vezes com falhas de estimativa.

Uso de cenários excessivamente conservadores

Da mesma forma, partir para o lado do pessimismo, com argumentos do tipo “e se tal coisa acontecer” pode ser ruim. As estimativas que são excessivamente cautelosas apresentam uma imagem de um vendedor ganancioso para o cliente e você ou sua equipe não vão ganhar qualquer elogio ou confiança. Estimativas reais, com base no que você sabe agora e o que você acha que é provável acontecer (com certo grau de certeza), é a melhor maneira de produzir boas estimativas.

Não considerar os riscos

Ignorar os riscos que você diligentemente identificou no início do projeto, quando se trata de estimativa de esforços, é uma má ideia. Nem todos vão ocorrer, mas alguns vão. E quando  produzir estimativas para o trabalho do projeto, é melhor considerar que pelo menos alguns riscos vão causar alguma dor de cabeça ao projeto, especialmente aqueles que você considera ter uma alta probabilidade de ocorrência. Seja tão realista quanto você puder com suas estimativas. Não ajuda a ninguém você e sua equipe serem muito otimistas, ou pessimistas demais, com suas estimativas. Procure o equilíbrio certo.

Apressar as estimativas

Se alguém chega até você e diz: “Me dê um valor aproximado até o final do dia”, seguido de “Não se preocupe, não vou considerar esta estimativa como sendo oficial”, tome cuidado! Isso quase sempre significa problemas. Nunca apresse estimativas para ninguém. Se for uma estimativa para o trabalho que você fez uma centena de vezes, isso é uma coisa. Mas se você precisa pensar seriamente nisso, não deixe que eles o apressem. Porque, muito provavelmente, você será responsabilizado por isso. Tenha cuidado.

Resumo

Como eu disse, algumas pessoas são ótimas em fazer estimativas, e outras simplesmente não têm uma visão para isso. Eu sempre me considerei bom nisso, e estou constantemente testando isso em tarefas de desenvolvimento ao fazer estimativas de alto nível de duração de tarefa e compará-las com o que os desenvolvedores experientes de tecnologia sugerem com a minha equipe. Até agora eu ainda estou no caminho certo, mas definitivamente não é uma ciência exata. Evitar estes cinco erros comuns podem ajudar você e sua equipe a produzir melhores estimativas daqui para frente.

Autor: Brad Egeland

Artigo publicado originalmente no site OnTrack

Publicidade